segunda-feira, 17 de julho de 2017

10 Teorias Inacreditáveis de Razões Pelas Quais Sonhamos

Passamos uma parte impressionante das nossas vidas a dormir e a sonhar, mas os cientistas ainda não conseguem entender porque fazemos isso. E nem sempre conseguimos ver os sonhos, mas quando fazemos, são geralmente sobre algumas coisas aleatórias e partes das nossas vidas diárias. Enquanto alguns cientistas acreditam que os sonhos não significam nada em particular e não têm qualquer impacto sobre nós, outros tendem a discordar e a estudar não apenas as causas dos sonhos, mas os significados por trás deles para cada pessoa. Então, porque sonhamos? Aqui estão 10 teorias que podem esclarecer o assunto.

Armazenamento de Memória

Numerosos estudos revelam que, durante o sono, os nossos cérebros trabalham bastante com as memórias. Algumas delas são transferidas para armazenamento de memória de longo prazo, enquanto outras são processadas e são levadas para diferentes partes do cérebro. Novas informações vão do hipocampo ao córtex cerebral, que é responsável por processar tudo o que é novo e transformá-lo em conhecimento real.

Terapia

Sonhar pode ser uma experiência bastante terapêutica se tivermos alguns problemas ou sentimentos não resolvidos que precisamos de resolver. Seja algo que aconteceu recentemente ou um trauma de infância de décadas, os sonhos podem ajudar-nos a chegar ao fundo das coisas porque, enquanto dormimos, o nosso cérebro funciona de maneira diferente e pode dar-nos uma nova perspetiva sobre as coisas. Alguns pesquisadores acreditam que os sonhos são um refúgio seguro onde se pode enfrentar os medos mais profundos e resolver vários problemas.

Prevenção de Ansiedade

 
Uma pesquisa de 2009 estudou 2 grupos de pessoas - saudáveis e com ansiedade e depressão. Descobriu-se que as pessoas que tinham ansiedade sonhavam com auto-vitimização e agressão com mais frequência do que as pessoas saudáveis. Isso significa que o sono REM pode realmente ajudar os pacientes a lidar com as suas emoções de tristeza, baixa auto-estima e raiva.

Saúde

É um fato bem conhecido que a privação do sono pode literalmente matar a nossa saúde para sempre. Não é de admirar que fosse usado como uma técnica de tortura por tantas pessoas. Os pesquisadores descobriram que as pessoas que não conseguiam sonhar (ficavam acordadas logo no início do sono REM) experimentavam falta de coordenação, aumento de tensão e até mesmo ganho de peso.

A Falta de Sonhos é um Mau Sinal

Existe um vínculo entre os distúrbios psiquiátricos e problemas de sono. Cerca de 80% das pessoas que foram diagnosticadas com transtornos mentais também tinham problemas para coseguirem dormir (e sonhar). Isso significa que há uma boa probabilidade de que, ao tratar os problemas do sono, também evitaremos o desenvolvimento de transtornos mentais.

A Teoria do Processamento de Informações

O sono REM tem outra função muito importante. É durante o sono REM que o nosso cérebro processa novas informações e as liga ao conhecimento existente sobre o mundo. Conceitos relacionados são conetados aos fatos recentemente recebidos e, posteriormente, são integrados ao nosso entendimento geral do mundo. Enquanto isso, o nosso cérebro tenta criar uma narrativa para ajudar esse processo errático a ser o mais suave possível. E é assim que os sonhos aparecem.

Psicanálise

Não podemos falar sobre sonhos e ignorar o poderoso Sigmund Freud, ou podemos? O pai da psicanálise teve muitas ideias selvagens e, embora algumas delas tenham sido refutadas ao longo da história, outras ainda são bastante interessantes para serem pensadas. Freud acreditava que a nossa mente subconsciente falava conosco através dos sonhos. Isso significa que interpretar os sonhos é algo que cada pessoa deve fazer diariamente. Freud pensava que os nossos sonhos expressam tudo o que é suprimido durante o dia, todos aqueles desejos escuros e ideias inaceitáveis que não podem ser reveladas ao público. Ao reconhecê-los e lidar com os novos problemas encontrados, as pessoas podem tornar-se muito mais saudáveis e, como resultado, mais felizes.

Modelo de Ativação-Síntese

De acordo com esta teoria, os sonhos são uma mera resposta biológica à ativação de algumas partes do nosso cérebro, como a amígdala responsável pelas emoções. Isso significa que o nosso cérebro simplesmente cria sonhos como uma reação aos sinais, não às memórias ou experiências que tivemos durante o dia. Os autores dessa teoria, no entanto, não consideram os sonhos sem sentido - acreditam que esses sonhos levam ao nascimento de novas ideias.

Teoria Adaptativa

De acordo com a teoria adaptativa, o que agora chamamos de sono é um mecanismo usado pelos animais para permanecerem fora do caminho dos danos. Encontram um local seguro para dormir um pouco e, como resultado, evitam magoar-se. Outra parte dessa teoria afirma que o sono REM (basicamente, sonhar) é também uma parte essencial da nossa sobrevivência. Acontece que os animais que não têm o sono REM suficiente tendem a dormir mais na vez seguinte que descansarem (é chamado de rebote REM). Isso significa que o sono REM é uma função biológica importante e os animais (e os humanos) devem ter o suficiente para continuar com as suas vidas e evitarem problemas. A evolução eliminou as espécies que não estavam a receber o suficiente e não podiam adaptar-se adequadamente.

Teoria de Estimulação de Ameaças

Os sonhos também nos permitem ensaiar várias situações ameaçadoras e desenvolver reações adequadas a essas ameaças. Os pesquisadores estudaram os sonhos das crianças de famílias ameaçadoras e não ameaçadoras e descobriram que as crianças que viviam num ambiente mau tinham sonhos assustadores e selvagens, enquanto as crianças de famílias saudáveis tinham sonhos mais calmos e o seu "sistema de simulação de ameaça" dificilmente era ativado.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Remédios Para a Dor Matam Empatia


A empatia é morta por componente em remédios para as dores encontrado em 600 medicamentos diferentes.

O acetaminofeno - comumente conhecido como paracetamol - reduz a empatia das pessoas em relação às dores dos outros, afirma uma nova pesquisa.

O acetaminofeno é um ingrediente encontrado em mais de 600 medicamentos diferentes. O paracetamol é constituído, em grande parte, por esse componente.

O analgésico onipresente não apenas mata as dores, mata também a empatia que sentimos para com os outros.

Dr. Dominik Mischkowski, o primeiro autor do estudo, afirmou: "Estes resultados sugerem que as dores das outras pessoas não serão tão sentidas sobre o efeito deste medicamento como seriam se a pessoa não estivesse sobre o efeito do mesmo. O paracetamol pode reduzir a empatia, assim como servir como analgésico."

Outras pesquisas também demonstram que as emoções positivas também são afetadas negativamente enquanto se estiver sobre o efeito desse componente.

"Não sabemos porque razão o paracetamol está a ter efeitos desses e isso é preocupante. A empatia é muito importante. Se estiver a ter uma discussão com o seu cônjuge e tiver tomado acetaminofeno, esta pesquisa sugere que pode ser menos compreensivo em relação ao que seria sem ele e pode ara ferir os sentimentos do seu cônjuge".

A pesquisa foi realizada com 80 estudantes universitários. Metade recebeu uma dose de 1.000 mg de paracetamol e a outra metade um placebo. Então, leram uma série de histórias sobre pessoas que tinham sofrido e foi-lhes solicitado que classificassem a sua dor. Os resultados mostraram que aqueles que tinham tomado o acetaminofeno consistentemente deram classificações mais baixas às pessoas das histórias. Os pesquisadores fizeram mais algumas variações do teste para testar a empatia fisica e emocional.

Dr Way explicou os resultados do experimento sobre a dor social: "Neste caso, os participantes tiveram a oportunidade de simpatizar com o sofrimento de alguém que achavam que estava a passar por uma experiência socialmente dolorosa. Ainda assim, aqueles que tomaram acetaminofeno mostraram uma redução na empatia. Não estavam tão preocupados com os sentimentos feridos das pessoas".

Os pesquisadores estão agora a analisar o ibuprofeno para ver se os resultados são os mesmos.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

A Psicologia dos Sonhos

Porque entramos num mundo de fantasia várias vezes por noite quando dormimos? Porque concebemos eventos imaginários e realizamos comportamentos imaginários e o que significam? Serão realmente uma porta de entrada, para uma super-estrada, para o nosso inconsciente? Podemos realmente interpretar os nossos sonhos? Será que alguma vez nos dirão algo com significado?

Os sonhos podem ser assustadores ou reconfortantes. Os sonhos são "fantásticos" no sentido de que coisas impossíveis e ilógicas podem ocorrer. Nos sonhos podemos voar; pessoas mortas ganham vida; objetos inanimados falam.

A maioria de nós sonha em média uma a duas horas por noite, com uma variedade de sonhos. A maioria dos sonhos é completamente esquecida e algumas pessoas, por causa disso, afirmam não sonhar (nunca). Os pesquisadores descobriram que, se as pessoas são despertadas diretamente após o episódio de (REM), muitos podem recordar os seus sonhos com bastante precisão. Uma pessoa despertada durante o sono REM quase sempre relatará um sonho, muitas vezes em grande detalhe. Esses relatórios indicam que as pessoas estão conscientes durante o sono, mesmo que nem sempre se lembrem da experiência. Estudos de ondas cerebrais mostram que somos muito ativos. Também sabemos que os homens são suscetíveis de ter ereções e as mulheres maior fluxo sanguíneo para a vagina nesse momento.

Tipos de sonhos: Diz-se que a palavra "sonho" é derivada das palavras para "alegria" e "música". Muitas pessoas falam de vários tipos diferentes de sonhos: de sonhos altamente lúcidos, mas também vagos; de pesadelos e de lindos sonhos. Crianças de 3 a 8 anos geralmente relatam ter pesadelos, mas parecem não aparecer nos seus próprios sonhos muito antes das idades de 3 ou 4 anos de idade.
Muitos relatam sonhos recorrentes, alguns que temem, outros que desejam. Alguns acreditam que os seus sonhos são proféticos. Quase dois terços das pessoas afirmam que tiveram sonhos de déjà-vu.

Certamente, parece que todos os gostos culturalmente comuns são para todas as pessoas.

O sonho de voar é comum: as pessoas relatam que podem voar como um pássaro. Outras relatam o sonho em que caem de edifícios altos ou para poços escuros por muito tempo. Muitas sonham em estar de repente nuas e, portanto, muito envergonhadas à frente dos outros. O sonho da perseguição é comum: muitas vezes é-se perseguido implacavelmente por outros, ou talvez estejamos nós a perseguir alguém. O sonho de perder os dentes também é surpreendentemente comum.

Interpretações: inevitavelmente existem várias interpretações propostas para esses sonhos. Os sonhos com dentes são sinais de que estamos muito preocupados com a nossa atratividade física?
Ou talvez represente uma perda de poder e envelhecimento, ou a preocupação de que nunca sejamos ouvidos ou estejamos demasiado no centro das atenções. Talvez os dentes representem armas orais e estejam a cair porque se está a dizer coisas falsas sobre os outros. Até foi proposto que seja sobre dinheiro: estar à espera que uma fada mágica dos dentes apareça e nos dê muito dinheiro.

Mas como interpretar os sonhos em que estamos nus? É tudo sobre vulnerabilidade e vergonha? Estamos a esconder alguma informação, a esconder um relacionamento, a fazer algo que não deveríamos e sentimo-nos culpados. Pior ainda, temos medo de ser descobertos, desonrados e ridicularizados. Ou isso pode significar que nos sentimos despreparados para um grande teste ou tarefa? Uma caraterística curiosa é que percebemos que estamos nus, mas ninguém mais parece estar a prestar atenção a esse fato. Isso pode indicar que temos preocupações, mas que realmente sentimos que não têm fundamento.
Ideias Freudianas: Freud é credenciado pelo desenvolvimento da psicanálise como uma terapia de forma destinada a fornecer ao cliente informações sobre as suas motivações e impulsos inconscientes. Estes ocorrem como Freud afirmou, através das demandas/motivos concorrentes do ego e do superego de todos. A interpretação dos sonhos era a forma favorita de Freud de entender esse conflito e, assim, encorajava as pessoas a conversar sem restrições sobre os seus sonhos. Esta avaliação do significado subjacente dos sonhos é uma caraterística da psicanálise.

Na sua opinião, os sonhos dizem respeito ao passado e ao presente e surgem de regiões desconhecidas. Todos os sonhos, no seu núcleo, são uma tentativa de realização de desejos. Isso explica porque Freud nos deu uma visão do nosso inconsciente, pois o desejo subjacente toca em algumas questões proibidas. Isso invoca mecanismos de defesa e o desejo não é expresso diretamente, mas apenas atinge a superfície num disfarce simbólico.

O conteúdo manifesto visto pelo sonhador mascara o significado ou significados ocultos por trás do conteúdos latentes que é o que pode causar ansiedade e desconforto psicológico. Os próprios sonhos não são representações diretas do nosso inconsciente, mas precisam de ser analisados, pois são simbólicos ou metafóricos para os nossos verdadeiros sentimentos subjacentes. Alguns símbolos são amplamente compartilhados devido a semelhanças físicas ou funcionais, por exemplo, mas não existe uma cifra simples que possa ser aplicada ao geral.

Sigmund Freud propôs essencialmente que os sonhos surgissem dos nossos conflitos internos entre os desejos inconscientes e as proibições contra a atuação desses desejos, que aprendemos com a sociedade. Na sua opinião, os sonhos dizem respeito ao passado e ao presente e surgem de regiões desconhecidas. Os sonhos são, como Freud afirmou, o "caminho real para o inconsciente".

Ao sonhar, vários processos ocorrem como a condensação, onde os temas são reduzidos a imagens únicas, como uma porta aberta ou um rio que flui profundamente. Os analistas estão particularmente interessados em deslocações, onde pessoas, coisas e certas atividades se substituem. Depois, há uma transformação, onde as pessoas são transformadas para serem maiores ou menores, mais velhas ou mais jovens, mais ou menos poderosas. A teoria Freudiana leva a várias previsões testadas sobre sonhar. Assim, os homens devem ter mais sonhos de ansiedade de castração do que as mulheres, que teriam mais sonhos de inveja do pénis. Os homens devem ter mais homens estranhos em sonhos com quem lutam (o pai no estágio edipiano de desenvolvimento).

Os críticos apontam que, se os sonhos são meramente realização de desejos, porque razão tantos são negativos? Freud baseou a sua teoria nesses poucos sonhos (menos de 10%) que são lembrados e articulados pelos pacientes. Há também um sério problema de confiabilidade na interpretação dos sonhos, pois diferentes terapeutas oferecem interpretações muito diferentes. Além disso, os sonhos parecem ter conteúdo semelhante ao longo do tempo e da cultura, independentemente de serem profundamente repressivos ou surpreendentemente liberais.

Estudos físicos: os pesquisadores propuseram uma explicação para os sonhos que não envolve conflitos ou desejos inconscientes. Na fase REM (movimentação rápida dos olhos) do sono, um circuito de neurónios com o cérebro torna-se ativo, estimulando movimentos rápidos dos olhos, ativação do córtex cerebral e paralisia muscular, o que nos faz ver imagens.

Os movimentos oculares que uma pessoa faz durante um sonho correspondem razoavelmente bem ao conteúdo do sonho; os movimentos oculares são o que se poderia esperar se os eventos no sonho realmente ocorressem. As imagens evocadas geralmente incorporam memórias de episódios que ocorreram recentemente ou o que a pessoa pensou ultimamente. Presumivelmente, os circuitos responsáveis estão mais entusiasmados com o seu uso recente. Os pacientes que aguardam uma grande cirurgia revelam os seus medos sobre o que sonham durante as duas ou três noites antes da operação. Os seus medos raramente são expressos diretamente, sendo sobre bisturis ou salas operacionais. A sua referência é indireta, em forma simbolizada. Os sonhos geralmente expressam o que é atualmente o mais importante na vida de uma pessoa e nenhum conceito profundo de realização de desejos subjacente.